fbpx

Alvo de operação da Polícia Civil do Distrito Federal há seis anos, a quadrilha formada por ciganos portugueses voltou a fazer novas vítimas. O bando ficou conhecido por enganar dezenas de comerciantes de Águas Claras após vender produtos falsificados como se fossem originais. E eram ardilosos para fazer negócios.

No mês passado, a dona de uma loja, em São Paulo, caiu no golpe dos ciganos e comprou perfumes falsificados com suposta garantia de originalidade. Ela percebeu que o produto era uma imitação barata apenas após concluir a transação. O pai da vítima entrou em contato com a coluna para relatar o crime após identificar o rosto de um dos ciganos em uma matéria publicada pelo Metrópoles, em 2016.

modus operandi do bando permanece o mesmo ao longo dos últimos anos. Articulados, simpáticos e bem vestidos, os ciganos portugueses têm a habilidade de vender “gato por lebre”. A história envolvendo o grupo começou a ser desvendada em 26 de fevereiro daquele ano, quando a PCDF deflagrou a Operação Ilusionista. Na oportunidade, 11 suspeitos foram presos.

 

Contrabando internacional

Em seu país de origem, a rede de contrabando internacional mantinha conexões e também aplicava golpes. O caso investigado pela antiga Coordenação de Repressão aos Crimes contra o Consumidor, à Ordem Tributária e a Fraudes foi acompanhado de perto pela Embaixada de Portugal.

Segundo as investigações ocorridas em 2016, todos moravam em Águas Claras e andavam em carros de luxo. Os portugueses escolheram um café em frente ao ponto comunitário de exercícios como lugar de encontro. Em muitos momentos, à luz do dia, eles se reuniam e conversavam sem expor os produtos.

Ilusionismo

Bolsas, malas, jaquetas de couro e perfumes eram oferecidos em locais de grande circulação e com compradores em potencial, como shoppings, portas de escolas e tribunais. Segundo os investigadores, eles agiam como atores para convencer os clientes sobre a boa qualidade dos produtos: passavam um produto químico para proteger roupas e, na hora da venda, colocavam fogo para mostrar que o material “não queimava”.

 

Após a repercussão do caso, boa parte do grupo deixou o Distrito Federal para fixar residência em outras unidades da Federação.

 

Fonte: Metrópoles

 

Faz o seguinte, nos acompanhe nas nossas redes sociais. Dessa forma você fica sabendo primeiro DFÁguasClaras
Participe do Canal DFÁguasClaras de notícias e bastidores no TELEGRAM – https://t.me/dfaguasclaras
Além disso, para participar do nosso grupo de Whatsapp DFÁguasClaras, envie seu número para dfaguasclaras@gmail.com
(Somente assuntos de Águas Claras).
Grupo DFÁguasClaras no Telegram (Capacidade de 100 mil membros): Envie email solicitando o ingresso dfaguasclaras@gmail.com
DFÁguasClaras – Nossa Cidade Passa por Aqui!
No twitter siga: @DFAguasClaras
Facebook: www.facebook.com/dfaguasclaras
Youtube: www.youtube.com/dfaguasclaras

Você pode assinar o nosso PODCAST nas principais plataformas de áudio!

Spotify: https://open.spotify.com/show/2nS3gHAS4NacTdNbulW9bv?si=HePXG9zBToWZyZgWeP03fA

Podcast ITunes: https://podcasts.apple.com/br/podcast/df-aguas-claras/id1499932772

Google Podcast: https://podcasts.google.com/?feed=aHR0cHM6Ly9hbmNob3IuZm0vcy9kYmI3ODhjL3BvZGNhc3QvcnNz

Todo projeto do DFÁguasClaras foi pensado de forma compartilhada e comunitária, por isso hoje carregamos a responsabilidade e o orgulho de ajudar Águas Claras a ser uma cidade melhor.

Nenhum comentário ainda.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.